segunda-feira, maio 11, 2009

Aniversário


Pois é, hoje faço vinte sete anos de idade. Pra falar a verdade, não gosto nem um pouquinho do número. Mas como não se pode evitar essas contingências da vida, é melhor não pensar muito no fato de que estou ficando velho. Afinal, todo mundo fica velho. Só espero chegar ao nível Shean Conery de velhice algum dia... Isso me deixaria bastante feliz.

Mas enquanto isso não chega, e espero que demore bastante, vou me arranjando do jeito que estou. O livro parece que vai sair finalmente. Se por um lado é legal saber que algo que escrevi finalmente será publicado, por outro me vejo emaranhado num problema que amedronta. Vender as bagaças. Sim, pois se trata de produção independente, uma vez que no Brasil só se vende auto ajuda e livros de culinária. E para gente como eu o mercado é tão amistoso quanto um pit bull sem comer há dois dias. Assim sou obrigado a gastar somas obscenas de dinheiro que poderiam muito bem me fazer comprar todos os videogames da nova geração que eu queria, seus jogos e ainda me sobraria um bom troco pra comprar uma TV Full HD Progressive Scan, blá blá blá. Mas estamos focando em objetivos mais produtivos e de maior valor, não é?

Então, todos devem saber que ando desempregado, ferrado, fodido e sem um puto no bolso nem pra pagar a mensalidade do meu querio RPG online, né? Bem, se não sabem, estão sabendo agora. E que, devido a isso, estou numas férias forçadas aqui no Espírito Santo, pensando no que vou fazer da vida daqui pra frente. Pra quem não sabe também, trabalhei um mês num jornaleco de uma cidadezinha dos arredores de Belo Horizonte. Nada muito interessante, mas que conseguia desenhar um sorriso no meu rosto todo final do dia só pelo fato de eu estar fazendo o que eu sempre quis fazer na vida. Contudo essa brincadeira acabou e seus frutos financeiros - eu preciso disso também, tá! - não foram lá essas coisas.

Provavelmente voltarei a Minas Gerais nos próximos dias, se não encontrar nada pra fazer aqui onde estou no processo. Mas enquanto isso, fico na praia ruminando histórias, jogando videogame e passeando a beira mar pra ver se alguma luz divina se abate sobre minha cabeça. Bem, duvido muito na última hipótese, mas quem sabe?

Enquanto estou ruminando, ando pensando se deveria postar mais coisas que escrevo aqui. Afinal, a brutal maioria do que escrevo não vai ser publicado mesmo. São contos, rascunhos de histórias e um monte de coisas que coloco num caderno que levo comigo há muitos anos, muitos mesmo. Acho que chegou a hora de deixar de ser cuzão e colocar alguma coisa aqui. Mas isso não significa que eu vou transcrever o meu caderno pra cá. Haverá uma rigorosa escolha - o que significa que eu não sei o que por e vou pegar o menos pior. Por hoje é só. Mais tarde passo um pouco do conteúdo do meu caderno para este blogue. E quem sabe assim ele terá mais gente que os cinco leitores fantasmas que possuo.

Um comentário:

Bruno Vieira disse...

Miachael, você vai superar o Sean Conery...
abraço