domingo, novembro 19, 2006

De buzinas galináceas rompantes.

Entrei aqui pensando em escrever alguma coisa sobre o filme Os Infiltrados que assisti na quinta, mas fui subitamente interrompido por um buzinaço bem embaixo da minha janela, arrancando-me da minha já tão difícil concentração...

Pra quem não mora em Belo Horizonte ou não tem saco para assistir ao Campeonato Brasileiro da Segunda(!) Divisão - neste caso, a maioria absoluta dos seres viventes - o Clube Atlético Mineiro, vulgo Galo, galo doido e demais variações, sagrou-se campeão. O pobre escritor do blogue aqui foi uma das testemunhas televisivas do feito, uma vez que estava a encher o rabo de cerveja num boteco onde via-se o jogo. E podem ter certeza que apenas viam mesmo, pois os gritos, xingamentos, comentários e elogios às senhoras mães de jogadores e árbitros não deixavam ouvir a voz do narrador. Mas quem se importa com narrador, não é mesmo?

Por fim o Atlético ganhou. Ainda que por um placar magro de um a zero, ainda que fosse um título de série B a cidade aqui pareceu explodir. Não sei quantas cervejas fazem um torcedor atleticano, mas até cheguei a me sentir levemente simpático ao time... Percebendo isso, paguei a conta e voltei para casa o mais rápido possível.

Agora estou ouvindo as buzinas dos carros e as carinhosas citações à torcida do cruzeiro gritadas a plenos pulmões. Enfim, creio que não se pode encher muito o saco dos atleticanos. Afinal, é o primeiro título nacional depois de.... Sei lá, 80 anos?

Mas eu também ficaria feliz se tivesse dinheiro investido no Galo e visse o mesmo sendo valorizado. Quem sabe poderia até gritar um pouquinho.

3 comentários:

Anônimo disse...

Patético foi ver um pai botar camisa, chuteira e até um chapéu ridículo no formato de uma cabeça de galinha no guri de um ano de idade e bater foto falando "galo dooooido!".

Menina Crescida disse...

Patético foi ter gente buzinando até 1 hora da manhã perto da minha casa. Ahhh que saco!

Thatiana Diniz disse...

O Milton Neves elegeu a torcida do Galo a mais animada do Brasil! Vindo de quem veio, não sei se deve ser um título comemorado...